quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Museu de Delfos

 
Período greco-Romano, do Séc II a.C. ao Séc II d.C.
                                           Culto a Antinoos
 
 
O culto a imagem de Antinoos desenvolveu-se em Delfos depois que o jovem de extraordinária beleza, originário da Bethynia , escravo e amado companheiro do Imperdor Adriano(76 a 138 d.C.). Antinoos havia mal chegado a maioridade quendo se afogou no Nilo e depois disso foi transformado em herói e adorado como um semi-deus em muitas partes do Impe´rio Romano Oriental por ordem do Imperdor.
 
 
Estátua de Antinoos muito bem preservada.
Uma das mais belas estátuas de Antinoos foi erguida no Santuário de Delfos e  foi encontrada muito bem preservada durante as escavações ainda brilhando, graças a um óleo especial da antiguidade usado para polir a ¨pele¨ de estátuas de mármore cultuadas. Os buracos nos cabelos ainda são visíveis, que eram usados para prender um coroa de bronze de folhas de louros na cabeça
 

Classicismo ao tempo do Imperdor Adriano
                                               O trabalho é representativo do classicismo do tempo do Imperador Adriano(117 a 138 d.C.). Com uma nudez de divindade heróica  a estátua segue as tradições estilísticas dos grandes artistas dos Séc V e IV a.C.,mas lhe falta a vitalidade inerente dos arquetipos.