segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Santuário de Delfos

                           
 
Exedro
A partir deste local, o Exedro que fica a direita de quem sobe o Caminho Sagrado, tem-se uma boa visão desta parte do Santuário que a descreveremos a seguir:
Boulerion
Bem do lado direito do Tesouro de Atenas podemos ver as ruínas em pedras do Boulerion, o antigo senado de Delfos
 
Pilares de Pedra
Marca o local do antigo Oráculo de Delfos, conhecida também como Rocha da Sibila.

 
Local dos Oráculos ou Profecias
Era em frente a este pilar de rocha onde havia uma fissura geológica que segundo se acredita, emitia algum tipo de gás natural que embriagava a Sibila.A Sibila  era uma mulher com mais de 50 anos e dedicada a Apolo, que colocada em cima do Tripóide de Apolo acima desta fissura, embriagada, proferia Oráculos e profecias aos peregrinos que a consultavam e obtinham como resultado, advinhações balbuciadas em linguagem ambígua e em versos hexâmeros( versos latinos ou gregos de seis pés).
 
 
Rocha da Sibila
Este é o local mais sagrado do Santuário de Delfos, pois aquí ficava a sua razão de ser,não só por ser onde eram feitas as profecias da Sibila, como também era o local onde nos tempos imemoriais, moravam Themis e a Serpente Python. Como se sabe originalmente o local era consagrado a deusa Gaya, a Terra, que tinha uma filha que era a deusa Themis, a deusa da Justiça e um filho a Serpente Python.Segundo a alguns hinos de autoria de Homero em cerca de 750 a.C.,  Apolo matou a Serpente Python assumindo assim da deusa Gaya a precedência sobre o Santuário.Portanto o nome das sacerdotisas que faziam as profecias eram até então chamadas de Pitonisas, mas depois da morte da serpente Python, passaram a ser chamadas de Sibilas, as Sibilas de Delfos.
 
 
 
                                  
A Rocha da Sibila e o Templo de Gaia
Aqueles que se interessarem podem contornar a Rocha da Sibila e encontrar o Templo de Gaya, ou  o Oráculo de Gaya. origem ancestral do Santuário de Delfos.